caminhada pela fronteira de lisboa

caminhada performativa

© Carlos Carneiro

Esta caminhada pretende tornar visíveis algumas das fronteiras físicas e políticas do território na qual a cidade de Lisboa está inserida. As fronteiras serão reveladas à medida que caminhamos e mergulhamos na paisagem. Serão realizadas provocações artísticas que se focam essencialmente nos processos de formação, alteração e gestão das fronteiras por parte das comunidades e agentes de poder. O corpo será a ferramenta metodológica indispensável para esta caminhada.

Caminhar é um projecto de pesquisa do Teatro do Silêncio e esteve inserido na A SUL – Plataforma de criação para artistas que habitam ou cruzam o espaço Ibero-americano, direccionada para a pesquisa, a investigação e a experimentação artísticas. A Sul pretendeu ser ainda um lugar de encontro e de reflexão entre artistas, e entre artistas e a cidade de Lisboa (2017).

 

Notas Biográficas

Carlos Carneiro, é viajante e das suas jornadas, duas resultaram em livro: “Até onde vais com 1000 euros?”, uma travessia de Lisboa até Dacar de bicicleta; e “Nunca é tarde”, uma viagem de pai e filho à volta de África. Trabalha há oito anos como guia em Marrocos, Cáucaso, América Central e Etiópia. A viagem que mais o marcou foi em Trás-os-Montes, numa caminhada de quinze dias com uma burra chamada Lizota e um mapa militar que não sabia ler.

Maria Gil, estudou teatro, encenação, dramaturgia, teatro clássico, performance e autobiografia. Enquanto artista desenvolve um trabalho experimental e de investigação focado em práticas e processos artísticos. Gosta de sair de casa a pé e deambular até ao pôr-do-sol. É quando caminha que se sintoniza melhor consigo própria e com o mundo que a rodeia.

Sara Anjo, bailarina e coreógrafa. Interessa-se por práticas meditativas que geram mudanças psico-físicas, sendo a caminhada uma das principais. Questiona-se permanentemente acerca do que nos move? Como nos movemos? E para onde nos movemos? Tem explorado o acto de caminhar em diferentes contextos artísticos dos quais destaca a colaboração com o Teatro do Silêncio, desde 2012, no Projecto Caminhar; a colaboração com a coreógrafa Michelle Moura, na peça “Nós aqui neste passinho, vamos até ao sol Raiar”; e em “Sacro”, peça de sua autoria.

 

FICHA TÉCNICA

Direcção: Maria Gil
Co-criação: Maria Gil, Sara Anjo e Carlos Carneiro
Design Gráfico e Registo Fotográfico: Joana Linda
Produção Executiva: Carlos Carneiro – Teatro do Silêncio 2017
Co-Produção: Festival Materiais Diversos 2017
Parceria: Projecto Pulsar da Junta de Freguesia de Carnide
Projecto apoiado pela Câmara Municipal de Lisboa e inserido na Passado e Presente – Lisboa Capital Ibero-americana de Cultura 2017.
Agradecimentos: Teresa Craveiro,

O Teatro do Silêncio é uma estrutura financiada por República Portuguesa – Cultura | Direcção Geral das Artes e pela Junta de Freguesia de Carnide.

DATAS

Estreia
17 de Setembro de 2017, Caminhar Pela Fronteira, Minde, Alcanena, Festival Materiais Diversos

Apresentações
19, 20, 21 e 22 de Outubro de 2017, Lisboa, Passado e Presente – Lisboa Capital Ibero-americana de
Cultura 2017

Dia #1.
Percurso: Algés – Pontinha
Distância: 11 km
Duração: 6 horas aproximadamente
Dificuldade: Fácil

Dia #2.
Percurso: Pontinha – Charneca do Lumiar
Distância: 9 km
Duração: 6 horas aproximadamente
Dificuldade: Moderado

Dia #3.
Percurso: Prior velho – Terreiro do Paço
Distância: 13 km
Duração: 6 horas aproximadamente
Dificuldade: Fácil

Dia #4.
Percurso: Terreiro do Paço – Algés
Distância: 10 Km
Duração: 6 horas aproximadamente
Dificuldade: Fácil